qr-code e-mec
imagem e-mec
Consulte aqui o cadastro da instituição no Sistema e-MEC
univale
PortugueseSpanishEnglish
Menu
Professor da Univale responde: 5 práticas que o Código de Defesa do Consumidor proíbe

5 práticas que o Código de Defesa do Consumidor proíbe

15 março, 2022

O dia 15 de março marca o Dia do Consumidor, data considerada como “Black Friday do primeiro semestre do ano”

dia-do-consumidor-cejusc-atendimento. É importante conhecer o código de defesa do consumidor
A Univale possui o Escritório de Assistência Judiciária (EAJ) e o Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejus), que oferecem atendimentos gratuitos para a comunidade. — Imagem: Ascorg

Nesta terça-feira (15 de março) é comemorado o Dia do Consumidor, uma data originada em 1962, pelo então presidente dos Estados Unidos, John F. Kennedy. Com o objetivo de destacar a segurança e informação dos direitos dos consumidores, no Brasil a comemoração foi consolidada em 2014 com o incentivo do site Buscapé. O Código de Defesa do Consumidor (CDC) foi criado em 1990, tornando-se o regulamento principal para a garantia desses direitos.

Quer entender mais sobre o assunto? Selecionamos 5 práticas consideradas abusivas pelo CDC e perguntamos para o professor Douglas Coutinho, do curso de Direito da Univale, para explicar um pouco mais sobre elas. Confira!

5 práticas consideradas abusivas pelo Código de Defesa do Consumidor

O professor Douglas Coutinho é especialista em Direito Bancário, Empresarial, do Consumidor e Contratual, e leciona a disciplina de Direito do Consumidor na Univale.

1) Constrangimento ou ameaça ao consumidor na cobrança de débitos

Com o grande número de ofertas e serviços, muitas vezes o fornecedor acaba tendo que cobrar débitos de seus clientes. Entretanto, existem formas corretas de se fazer isso e, se tratando do direito do consumidor, é necessário que isso seja feito com cuidado.

A empresa não pode, de maneira alguma, constranger o consumidor e nem expor ele ao ridículo. Além disso, não é permitido dar publicidade à dívida, por meio de e-mail social em sites, por exemplo, e nem cobrar por meio de terceiros. O professor Douglas exemplifica:

“Se o fornecedor liga na casa da pessoa e o pai ou a mãe dela atende. ‘Olha, estou querendo receber a dívida do seu filho’, isso é uma conduta abusiva de acordo com o artigo 42 do Código de Defesa do Consumidor. A empresa que agir dessa forma corre o risco de ter que indenizar o seu cliente pelo constrangimento, passando de credora a devedora. Ela tinha o direito de cobrar, mas por fazê-lo de forma indevida, pode acabar sofrendo uma ação de dano moral”, alerta o professor.

2) Venda casada

dia-do-consumidor-venda-casada. Professor alerta que é importante conhecer o Código de Defesa do Consumidor
Imagem: Unsplash

Infelizmente, a venda casada é muito comum no dia a dia do consumidor. Quantas vezes você já tentou adquirir um produto e/ou serviço, mas foi impedido com uma justificativa de que é necessário contratar um seguro? Estamos aqui para te alertar sobre essa prática. O professor Douglas compartilha outros exemplos:

“Há situações onde o banco ou uma casa de crédito avisa ao seu cliente que ele só irá conceder o empréstimo se for também contratado um seguro, ou que o cliente abra uma conta ou contrate um título de capitalização. O artigo 39 condena essa prática!”

3) Recusa em cumprir oferta anunciada

É um direito do consumidor e uma obrigação da empresa cumprir a oferta anunciada. E essa prática abusiva é mais comum do que muitos imaginam, principalmente em períodos de grande compra e venda, como a Black Friday. Nessa época, costuma-se vender mais e, às vezes, não é dado conta da entrega. É preciso lembrar que toda vez que um fornecedor vincula a sua oferta no mercado de consumo, ele deve cumpri-la. O professor Douglas orienta:

“Na maioria das vezes, o produto acaba e a compra é simplesmente desfeita. E o consumidor costuma se perguntar: ‘fica por isso mesmo?’ Não! Se a empresa ofertou e efetuou a venda, ela precisa entregar o produto sobre a responsabilidade dela. O fornecedor não pode se recusar a cumprir essa oferta e o consumidor pode entrar na justiça, fazendo uso do artigo 35 do Código de Defesa do Consumidor e ter o seu produto”.

4) Recusa de desistência em até 7 dias de compra pela internet ou telefone

dia-do-consumidor-compras-online. Professor alerta que é importante conhecer o Código de Defesa do Consumidor
Imagem: Unsplash

Para aqueles que gostam de realizar compras online, fiquem atentos. É um direito seu desistir da compra em até 7 dias, sendo ela feita pela internet ou telefone. Mas lembre-se: apenas nessas condições! O professor Douglas explica melhor:

“Primeiro, precisamos estabelecer quando é que surge o direito à desistência em sete dias. À luz do artigo 49 do Código de Defesa do Consumidor, esse direito é exclusivo daquele consumidor que compra pela internet ou por meio do telefone. Ou seja, o direito de arrependimento, por qualquer motivo que seja e sem necessidade de justificativa, é somente da compra que seja feita fora do estabelecimento comercial. Ele não é um direito de todos os consumidores.

Por exemplo: se você vai em uma loja física e compra fisicamente, você não tem direito de arrependimento. No caso da desistência de uma compra feita online, o fornecedor tem que fazer o cancelamento, anulando e rescindindo, além de devolver o dinheiro do consumidor. ‘E se apresentar resistência ou se não fizer?’ Neste caso, cabe uma ação na justiça e uma obrigação de fazer uma rescisão contratual. Inclusive o consumidor, por ter um direito seu negado, pode pedir também dano moral.”

5) Envio de cartão de crédito sem solicitação

Certamente você conhece alguém, ou algum familiar de um amigo seu, que já passou por essa situação. Muitos bancos e casas de crédito têm o hábito de enviar para a casa das pessoas cartões de crédito sem a solicitação delas. Atenção: isso é proibido pelo Código de Defesa do Consumidor!

“O artigo 39, inciso 3º do Código de Defesa do Consumidor, diz que o fornecedor não pode enviar para o consumidor um serviço ou produto sem que haja solicitação prévia. Inclusive, os tribunais têm entendido que os envios de cartão de crédito podem gerar dano moral. Essa conduta do banco ou das instituições financeiras passou a ser entendida como forma de induzir o consumidor a uma compra exagerada.

A questão também não é apenas por conta de um possível consumo exagerado, mas também do envio sem que fosse feita a solicitação do cliente. É uma prática considerada abusiva, e no caso do envio de cartão de crédito ela pode apresentar um dano moral. E além dos cartões, o envio de qualquer outro produto ou qualquer serviço, também é considerado abusivo.”

Tive o meu direito violado: o que fazer?

dia-do-consumidor-cejusc-univale. Professor alerta que é importante conhecer o Código de Defesa do Consumidor
O Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania da Univale está localizado na Rua Lincoln Byrro, nº 281, bairro Vila Bretas. Você pode tirar as suas dúvidas sobre os atendimentos pelo telefone. Confira a página do Cejus — Imagem: Ascorg

Quando saímos para fazer compras não deveríamos ser surpreendidos por quaisquer uma dessas práticas abusivas. Mas, infelizmente, elas acontecem. Para se precaver nesses casos e passar a reconhecer os seus direitos nesses momentos, o professor Douglas deixou algumas dicas.

“O consumidor, quando se depara com esse tipo de abuso, pode fazer uso do Código de Defesa do Consumidor, que traz e dispõe da sua proteção. Além disso, ele também pode realizar uma reclamação no Procon, procurar um advogado de sua confiança ou, no primeiro momento, ele pode ir até a empresa fazendo o uso desses dispositivos e apontar as falhas.

Há casos em que o consumidor demonstra conhecer os seus direitos e a conversa da empresa muda em relação às práticas abusivas que foram feitas em determinado momento. O consumidor pode também ir ao Procon municipal ou à justiça, com a ajuda de um advogado que entenda do direito do consumidor.”

E você, já conhece o Código de Defesa do Consumidor?

Conheça também:
Escritório de Assistência Judiciária
Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania

Você também pode se interessar por:

selo abmes de responsabilidade socialUnivale
Univale
Cursos
Campus Armando Vieira

Rua Juiz de Paz José Lemos, 695 – Vila Bretas, CEP: 35030-260, Governador Valadares/MG
(33) 3279-5200
Campus Antônio Rodrigues Coelho

Rua Israel Pinheiro, 2000 – Universitário, CEP: 35020-220, Governador Valadares/MG (33) 3279-5500 
Outros endereços.
®Copyright 2000 – 2021 | Fundação Percival Farquhar (33) 3279-5515 / (33) 3279-5505 CNPJ: 20.611.810/0001-91
magnifiercrossmenuchevron-down Skip to content