Dados são do sexto Boletim de Ciência e Tecnologia da Secretaria Municipal de Desenvolvimento de Governador Valadares, escrito pela professora Rossana Morais

Vivemos em um mundo cada vez mais conectado, no sentido tecnológico da palavra. Isso, é claro, reflete diretamente no cenário profissional e na abertura de vagas de emprego. Afinal, as empresas e instituições se desenvolvem de acordo com as necessidades da sociedade — quando novas demandas surgem, também surgem novas formas de atendê-las.

No século XXI, as Tecnologias da Informação se tornaram ferramenta fundamental para suprir demandas sociais e mercadológicas. Por isso se faz necessário compreender essas ferramentas, e o modo como elas interagem com o cotidiano.

Nas palavras da professora Rossana Morais, coordenadora do curso de Sistemas de Informação da Univale, para o Boletim de Ciência e Tecnologia da Secretaria Municipal de Desenvolvimento de Governador Valadares, “temos vivenciado isso claramente no momento desta pandemia do novo coronavírus. A rápida difusão de informações no ambiente da virtualidade traz implicações econômicas, sociais, políticas e culturais de acordo com sua pertinência na realização dos objetivos processados na rede, em fluxo contínuo de decisões estratégicas”. 

Falta de profissionais qualificados na área de Tecnologias da Informação

Junto com esse cenário, vem também a necessidade de formar mão de obra especializada. De acordo com dados levantados pela professora, enquanto aproximadamente 11,9 milhões de pessoas procuram emprego no Brasil, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) estima que a área de TI deve ter até 2024 cerca de 290 mil vagas em aberto.

O boletim ainda traz a informação de que, segundo a Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), “existe um déficit de 24 mil profissionais/ano para atender a projeção de crescimento do mercado brasileiro de TI. Atualmente, formam-se em torno de 46 mil profissionais/ano no Brasil, número insuficiente para atender as demandas. Essa deficiência também é uma realidade no mercado mundial”.

É justamente por isso que a área de TI tem se mostrado como uma excelente aposta profissional. Para quem tem interesse pela área, o texto da professora Rossana Morais destaca que a aptidão é importante, mas não é tudo. É importante investir na formação academica de qualidade, no networking, e na construção de soft skills, abilidades como inteligência emocional, criatividade e capacidade de adaptação.

Currículo

Rossana Cristina Ribeiro Morais é Mestre em Gestão Integrado do Território, tendo como título da dissertação “Ensino Superior, Ciberespaço e Inteligência Coletiva: um estudo das interações entre estudantes e professores na rede social Facebook”. É pós-graduada em Docência do Ensino Superior e graduada Ciência da Computação. Atualmente é coordenadora do curso de Sistemas de Informação da Univale.