Médico egresso do mestrado na Univale fala sobre importância da doação de órgãos

Só no primeiro trimestre de 2019, mais de 800 pessoas faleceram enquanto aguardavam por um transplante, de acordo com dados da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO). Na época, quase 8 mil pessoas novas haviam entrado na lista, se somando às mais de 32 mil que já esperavam por um doador.

A doação de órgãos ainda é um assunto praticamente desconhecido para muitos brasileiros. Devido à falta de informação sobre o tema, perdemos oportunidades de salvar vidas — um doador com órgãos saudáveis pode salvar a vida de até oito pessoas.

Para esclarecer um pouco mais o assunto, conversamos com o Dr. Márcio Soares Pena, médico nefrologista e egresso do mestrado em Ciências Biológicas da Univale. Confira:

De forma geral, como funciona a doação de órgãos no caso de pacientes falecidos?

A doação de órgãos e tecidos acontece somente com a autorização da família. Por isso é tão importante uma conversa para que saibam do seu desejo de se tornar um doador. Para aumentar as doações, são necessárias campanhas para sensibilizar as famílias para que elas autorizem o transplante quando o seu familiar estiver em morte.

Por que doar órgãos?

Doar órgãos é um ato de amor e solidariedade. O transplante pode salvar vidas, no caso de órgãos vitais como o coração, ou devolver a qualidade de vida, quando o órgão transplantado não é vital, como os rins. Além disso, estrutura a saúde física e psicológica de toda a família envolvida com o paciente transplantado.

O que é um doador de órgãos vivo e o que ele pode doar?

Um doador vivo é qualquer pessoa juridicamente capaz, atendidos os preceitos legais quanto à doação intervivos, que tenha sido submetido a rigorosa investigação clínica, laboratorial e de imagem, e esteja em condições satisfatórias de saúde, possibilitando que a doação seja realizada dentro de um limite de risco aceitável. Pela lei, parentes até o quarto grau e cônjuges podem ser doadores em vida. Não parentes, somente com autorização judicial. O doador vivo pode doar um dos rins, parte do fígado, parte do pulmão ou parte da medula óssea.

órgão

O que é um doador de órgãos falecido e o que ele pode doar?

Existem dois tipos de doadores falecidos: 

  • doador falecido após morte cerebral: paciente cuja morte cerebral foi constatada segundo critérios definidos pela legislação do país e que não tenha sofrido parada cardiorrespiratória. O doador falecido nessa condição pode doar coração, pulmões, fígado, pâncreas, intestino, rins, córnea, vasos, pele, ossos e tendões. Portanto, um único doador pode salvar inúmeras vidas. A retirada dos órgãos é realizada em centro cirúrgico, como qualquer outra cirurgia.
  • Doador com parada cardiorrespiratória: doador cuja morte foi constatada por critérios cardiorrespiratórios (coração parado). O doador nessa condição pode doar apenas tecidos para transplante (córnea, vasos, pele, ossos e tendões).

Como ficam os transplantes durante a pandemia?

Para aumentar a segurança dos transplantes durante a pandemia de Coronavírus o Ministério da Saúde elaborou as normas abaixo:

Critérios para captação, doação e transplante de órgãos durante a pandemia do Coronavírus 

Como principal contraindicação absoluta na captação de órgãos está a confirmação de infecção pelo Sars-Cov-2 ou por síndrome respiratória aguda grave (Sars). Tecidos oculares, pele e órgãos podem ser doados por pacientes falecidos. Neste grupo, aqueles que tenham contraído Covid-19, mas com remissão total dos sintomas 14 dias antes do óbito, podem ser elegíveis para a doação de órgãos. A recomendação nesses casos é a realização de testes para comprovar o resultado negativo de coronavírus ao menos 24 horas antes da captação de órgãos.

Doadores falecidos com contato suspeito ou confirmado de Covid-19 devem ser descartados se a proximidade ocorreu a menos de 14 dias antes da morte. Se o período for superior, o falecido pode ser elegível para doação através de teste de RT-PCR que ateste negativo para a infecção. Pacientes que tiveram suspeita clínica antes da morte, mas com testagem negativa, podem doar se os sintomas ocorreram há mais de duas semanas.

Já os pacientes vivos podem fazer doação desde que não tenham diagnóstico confirmado de Covid-19. Doadores com suspeita clínica ou já curados da doença poderão doar órgãos apenas após 28 dias da resolução dos sintomas — mediante teste RT-PCR negativo. Mesmo doadores assintomáticos e sem suspeita de contato com o vírus deverão ser testados 24h antes da captação.

Situação para os receptores durante a pandemia de Coronavírus 

Para os receptores que aguardam um transplante (seja de doadores vivos ou falecidos) também é obrigatória a realização de teste RT-PCR. Aqueles que apresentarem resultado positivo para a Covid-19 deverão ter o procedimento suspenso e somente após 28 dias estarão aptos para reavaliação e retorno para a lista de espera.

Currículo

Márcio Soares Pena é médico graduado pela UERJ, com Residência de Clínica Médica e Nefrologia pela UERJ. Especialista em Nefrologia pela Sociedade Brasileira de Nefrologia / Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina. Atualmente é Diretor Médico do Instituto de Nefrologia Vale do Rio Doce/Hospital Bom Samaritano de Governador Valadares-MG e ex-diretor da Sociedade Mineira de Nefrologia – Regional Leste de Minas Gerais. Mestre na área de Imunopatologia das doenças Infecto-contagiosas pela Universidade Vale do Rio Doce (Univale) – MG em 2013, com projeto de pesquisa na área de infecção hospitalar relacionada à hemodiálise. Curso de Atualização em Nefrologia na Harvard Medical School, Boston, Estados Unidos.

 

Gostou? Compartilhe:
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support