Janeiro Branco: data chama atenção para a saúde mental pós festas de final de ano

Campanha proposta por psicólogos de Uberlândia incentiva as pessoas a começarem o ano com a saúde mental em dia

O Janeiro Branco é um mês dedicado aos cuidados da saúde mental com enfoque nas resoluções de final de ano e das novas metas. Ele teve início em 2014 e partiu de uma proposta de psicólogos de Uberlândia (MG), que buscam incentivar as pessoas a darem esses novos passos de forma saudável. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Organização PanAmericana da Saúde (Opas), o Brasil é o país mais ansioso do mundo e o segundo maior da América em casos de depressão.

No momento da pandemia de Covid-19 em que vivemos, cuidar da saúde mental é um tanto desafiador. Segundo a professora Solange Coelho, do curso de Psicologia da Univale, é importante analisar, de forma realística, quais são as ameaças e adotar medidas necessárias para garantir a segurança e enfrentar as adversidades sem estagnar. Buscar informações com fundamento, apoio e preparar-se de forma adequada é essencial para superar qualquer problema sem esquecer de se cuidar, buscar boas companhias, atividades significativas, descanso e lazer.

janeiro-branco-campanha-imagem
Após as festas de final de ano, muitas pessoas ficam preocupadas com as resoluções para o novo ciclo que virá — Imagem: Freepik

Para Sabrina Moura, Psicóloga Organizacional do Desenvolvimento Humano da Univale, é comum no início do ano criarmos expectativas sobre uma vida nova. Mas criar metas inalcançáveis, sem levar em consideração as reais possibilidades e todos os recursos necessários para atingi-las, pode ser um fator de risco à saúde mental. Metas não cumpridas podem trazer sentimentos de ansiedade, frustração, tristeza, insegurança e até servir como gatilho para depressão.

E para evitar que essas metas tragam mais ansiedade, e sem radicalizar, é importante respeitar nossos limites – físicos, emocionais, financeiros, temporais – e refletir sobre a individualidade: pessoas possuem realidades, histórias e vivências diferentes. Estabelecer metas mais tangíveis é uma boa estratégia para diminuir a ansiedade por elas, com prazos mais curtos ou divididas em etapas. Um exemplo dado por Sabrina é:

“Se você pensar ‘este ano vou comprar um carro’, sabemos que além do valor do veículo precisaremos pagar a documentação. Então, pode-se dividir a meta em: até abril vou juntar dinheiro para a documentação, até agosto vou juntar dinheiro para entrada, e a partir daí vou começar a pagar o consórcio. Outra meta pode ser ‘preciso emagrecer 10 kg’. Sendo assim, você pode alterar ela para ‘vou emagrecer 1kg por mês’. ‘Vou acordar mais cedo’ pode se transformar em ‘vou acordar 5 minutos mais cedo, mês que vem vou acordar 10 minutos mais cedo, no outro vou acordar 20 minutos mais cedo’. Mas, se mesmo assim a ansiedade se tornar um problema, busque ajuda profissional. Saúde mental é coisa séria”.

O Desenvolvimento Humano na Univale é responsável por acolher e auxiliar colaboradores em demandas pontuais de saúde mental, além de realizar encaminhamentos para psicoterapia e pesquisas internas. Ele também atua na manutenção do clima e da cultura da organização da universidade, agindo preventivamente e corretivamente em relação a indicadores como rotatividade e absenteísmo.

Conheça outras ações do Desenvolvimento Humano.

Gostou? Compartilhe:
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support