Até a sexta-feira (13), Governador Valadares tem quatro casos suspeitos do novo Coronavírus. O caso confirmado mais próximo da doença está na cidade de Ipatinga, a 104 quilômetros. No entanto, a velocidade com que o vírus se espalha e o alto índice de contágio pedem ações rápidas e eficientes, com o intuito de evitar uma possível epidemia. O estado de Minas Gerais já declarou situação de emergência, e a prefeitura de Valadares instituiu hoje uma série de medidas que deverão ser implantadas na cidade. 

Como podemos perceber, a principal preocupação no momento é a prevenção. Para se prevenir, o primeiro passo é buscar a informação correta! 

Com o intuito de esclarecer as dúvidas e trazer informações corretas sobre o tema, a Univale preparou uma entrevista com a biomédica Juliane Albuquerque, coordenadora do curso de Biomedicina. Confira as respostas abaixo!

1. O que é um vírus?

Vírus são agentes infecciosos de estrutura simples, basicamente formados por uma cápsula de proteína que envolve seu material genético, que pode ser constituído por DNA ou RNA.

2. O que difere o novo Coronavírus de outros tipos de vírus que são comuns por aqui, como o da gripe?

Os Coronavírus representam uma grande família de vírus que, ao contrário do que muitos pensam, podem causar desde resfriados comuns até doenças mais graves. O novo Coronavírus, responsável por causar a doença COVID-19 é uma cepa (subtipo) diferente das conhecidas anteriormente.

3. Como ele se manifesta e quanto tempo leva?

Os sintomas mais comuns da doença COVID-19 são: tosse seca, febre e cansaço. Em alguns casos pode haver dores no corpo, congestionamento nasal e inflamação na garganta.
O tempo entre a infeção e o surgimento dos sintomas pode variar entre 2 a 14 dias. O período exato de transmissão ainda é desconhecido, ocorre geralmente enquanto persistem os sintomas, no entanto, é possível que ocorra após a resolução dos sintomas.

4. Que cuidados devemos tomar? Tem algum fator que torna a pessoa mais suscetível ao contágio?

De acordo com as recomendações da Anvisa, devemos adotar medidas como:
• Lavar as mãos frequentemente com água e sabão durante, pelo menos, 20 segundos, principalmente antes de ingerir alimentos ou após frequentar locais com grande fluxo de pessoas;
• Quando não for possível lavar as mãos, usar álcool em gel para higienizá-las;
• Evitar contato próximo com pessoas que estejam apresentando os sinais da doença (manter ao menos 1 metro de distância);
• Ao tossir ou espirrar, proteger a boca e o nariz com um lenço ou com os braços (não usar as mãos);

5. Como é o tratamento?

Estão sendo desenvolvidas diversas pesquisas, mas até o momento não existe vacina ou algum medicamento capaz de combater esse vírus, o tratamento básico consiste no alívio os sintomas.

6. O vírus pode reagir de forma diferente por causa da diferença de ambiente? No caso, as diferenças no clima, principalmente.

De acordo com o Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido, geralmente em temperaturas mais baixas o tempo de sobrevivência do vírus da gripe no ar é maior. Em situações de clima mais frio, é mais comum as pessoas permanecerem em locais fechados, favorecendo a transmissão. No entanto, não é garantido que em locais de clima mais quente a contaminação seja desfavorecida, por isso não é possível prever o comportamento do vírus no nosso país.

7. Quem está mais suscetível ao novo Coronavírus?

Idosos, pessoas com doenças crônicas como diabetes, câncer, problemas cardiovasculares e respiratórios, bem como mulheres grávidas podem estar mais suscetíveis. A razão pela qual isso acontece é que, de maneiras diferentes, esses grupos de pessoas apresentam alterações no seu sistema imunológico, por isso devem estar ainda mais atentos aos cuidados para prevenção da contaminação.

Currículo

Juliane de Carvalho Albuquerque é professora coordenadora do curso de Biomedicina da Univale. Ela é graduada em Biomedicina, mestre em Análises Clínicas e Toxicológicas pela UFMG, e doutoranda em Bioquímica e Biologia Molecular na UFJF.